nov 14, 2018

O Evento

No último dia 10/04, a Associação Nacional de Autoridades de Certificação Digital (ANCert), realizou a primeira edição do “Integra Brasil Digital”, nele autoridades dissertaram sobre o futuro da certificação digital, dentre outros assuntos ligados à está pauta.

 

O evento ocorreu na sede do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo (CNB/SP), e contou com a participação do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI).

 

Na abertura do evento o Presidente da ANCert, Rafael Caporali, explicou que o INTEGRA BRASIL DIGITAL, foi criado a partir das mudanças que o mercado sofreu ao longo de 2017. Em 2018, continua o processo de evolução. “Por conta disso, resolvemos reunir os associados e autoridades para fazer uma integração, desenvolver um bate-papo para discutir esse cenário”.

 

Caporali ainda frisou “Vivemos um momento único na Certificação. Um momento de ajustes, alterações, novas demandas e oportunidades”.

A bancada, ao longo da manhã, foi composta por diversas autoridades ligadas aos processos e inovações constantes da certificação digital no país.

 

No primeiro painel, o Diretor-Presidente do ITI, Gastão Ramos, expôs as ações, tendências e novidades para o setor. “Nos últimos 11 meses, trabalhamos com a reconstituição do Comitê Gestor – que estava desativado desde 2015 -, além de realizarmos 3 reuniões, nas quais aprovamos pautas que estavam represadas como a certificação do funcionalismo público, a regulamentação para viabilizar a pauta virtual, além da regulamentação para acabar com os pontos de atendimento – que era uma coisa que o mercado vinha se ressentindo”, destacou.

 

Além disso, Gastão Ramos ressaltou que hoje há um enorme trabalho de divulgação para que o conhecimento do público e dos setores de governo em relação à ICP-Brasil e ao ITI aumente. “Temos a aplicação do certificado digital na e-CNH, nos diplomas de universidades públicas e privadas (portaria do MEC), nos documentos de universidades (portaria do MEC), no INPI (toda patente de software registrada digitalmente) etc”, listou. Com isso, ele afirma que pretende massificar a utilização do certificado digital, saindo de um universo restrito

O Diretor de Auditoria, Fiscalização e Normalização do ITI, Rafaelo Abritta, destacou o trabalho que vem desenvolvendo relativo ao credenciamento da infraestrutura da ICP-Brasil. “Fazemos todo pedido de abertura de posto provisório, de ITS, de AR, PSC, AC etc. Esse é um processo que tenta identificar estruturas que não estão adequadas para ingressarem dentro da ICP Brasil”, definiu. “Toda AR deve ser auditada anualmente, mas como estamos perto de 900 ARs, é impossível realizarmos essa auditoria. Por isso, elas podem ser realizadas por entidades acreditadas pelo ITI”.

 

O processo de realizar auditorias em cima de auditorias, no entanto, tende a ser modificado, explica Rafaelo Abritta. “A auditoria remota é muito imprecisa. Esse tipo de trabalho precisa ter o contato físico com a entidade auditada para que não seja nada maquiado”. Por isso, tem como maior objetivo passar a ser proativo nas suas auditorias e fiscalizações. “Atualmente somos muito reativos, mediante denúncias. Estamos nos estruturando para que isso deixe de ser uma reatividade e passe a ser uma proatividade”.

 

A ICP proporciona atributos ao ato que são significativos: a fidedignidade e o não repúdio. Ao contrário da assinatura física de um cheque, que pode ser questionada, a assinatura digital torna o ato inquestionável. “A esfera da certificação digital traz ao serviço extrajudicial algo como – vamos nos utilizar de uma figura de linguagem – um documento transitado em julgado. Isso traz segurança para as partes pois você terá sempre a certeza de que aquele documento será considerado válido, real, eficaz e impossibilitado de ser repudiado”, finalizou o Diretor de Auditoria, Fiscalização e Normalização do ITI.

 

O membro do Comitê Gestor da ICP-Brasil, Júlio Consentino, dissertou sobre a iniciativa entre a ANCert e a ICP-Brasil e o acordo de cooperação entre ambas, “Achei significativo não só a fala do Presidente do ITI, como a do Diretor de Auditoria ou seja, a gente vê as ações sendo implementadas e sabendo que não é fácil, pois existe todo um trabalho para implementar essas resoluções que são tratadas no Comitê Gestor, saio daqui satisfeito”.

 

Ainda foram discutidos no evento o papel das ARs no novo cenário do País, mostrando as mudanças e as oportunidades existentes para 2018.

 

Fonte: ANCert e CNB/SP (Flávia Teles) | Mídia: Agência Tutti Marketing

Entrevistas

Fotos